GT 01 – Desigualdades, Territórios e Margens Urbanas

Coordenação: Profa. Dra. Leila Maria Passos de Souza Bezerra (UECE), Profa. Dra. Alba Maria Pinho de Carvalho (UFC), Profª. Drª. Rejane Batista Vasconcelos (FAMETRO)

Debatedores(as): Profa. Dra. Maria Zelma de Araújo Madeira (UECE), Prof. Ms. Francisco das Chagas Alexandre Nunes de Sousa (UFCA), Ms. Caio Feitosa (CDVHS)

O GT aborda as temáticas das desigualdades e das relações sociais de dominação no modo de vida capitalista e as vias de enfrentamento/controle no âmbito da questão social brasileira. Buscamos problematizar, por um lado, as atuais expressões da pobreza, das vulnerabilidades socioeconômicas e civis, dos riscos sociais, da violência urbana, do acesso desigual aos direitos; e, por outro, as práticas de resistências e de lutas socioterritoriais, os programas, os projetos e as políticas sociais (públicas e/ou privadas) direcionados ao enfrentamento e/ou ao controle das expressões das desigualdades e discriminações urdidas nas margens urbanas. Este GT pretende abrigar trabalhos que reflitam sobre as dinâmicas de produção e (re)significações das margens urbanas/”periferias”, as práticas regulatórias estatais e micro regulatórias inscritas nestes espaços, com ênfase nas configurações contemporâneas do “estado de exceção” e das “vidas matáveis”, e seus tensionamentos com as formas de vida territoriais – potencialidades e potências de vida – que podem abrir vias e modos de reinvenção da política. Serão privilegiados, assim, os seguintes eixos temáticos: 1) Capitalismo, desigualdades e cultura democrática; 2) Configurações contemporâneas dos processos de estigmas e segregações socioespaciais, efeitos de lugar, sistemas de classificação, pobreza, vulnerabilidades socioeconômicas e civis em territórios estigmatizados; 3) Políticas públicas sociais, práticas micro regulatórias não estatais e o desafio do enfrentamento das desigualdades e das discriminações interseccionais (classe, gênero, etnia/raça, território); 4) Modos de vida, produção de subjetividades, lutas simbólicas e práticas de resistências político culturais nas margens urbanas.

GT 02 – Cidadania Sexual, Ativismos e Direitos Humanos: desafios atuais para pensar a diversidade, conservadorismo e violência na sociedade brasileira.

Coordenação: Prof. Dr. Cristian S. Paiva (NUSS-UFC), Luma N. Andrade (UNILAB).

Este GT pretende reunir relatos de pesquisas concluídas e/ou em andamento em que sejam problematizados aspectos metodológicos, analíticos e éticos na abordagem das temáticas de gênero, sexualidade e direitos humanos, nas suas interfaces com outros marcadores de diferença (tais como geração, classe, raça/cor, etc.). Estão dentro do campo de interesses do GT os seguintes temas: identidades, políticas e cidadania LGBT; violência de gênero, violência doméstica; feminicídio, transfeminicídio e LGBTfobias; liminaridade e vulnerabilidade no contexto das práticas sexuais dissidentes; mercado erótico e trabalho sexual; práticas de segurança, policiamento e vigilância de coletivos de jovens, mulheres e LGBTs; biopoder, biopotência e gestão das sexualidades; culturas corporais transgressivas; regulação e patologização das transexualidades; experiências e estratégias de resistência envolvendo redes de coletivos subalternizados; direitos sexuais e reprodutivos: debate democrático, convicções religiosas e avanço do conservadorismo na sociedade brasileira; família, direitos conjugais e parentais: tensões e reconfigurações; interseccionalidades e epistemologias descoloniais; mídia, feminismos e ativismos em rede.

GT 03 – Crianças em situação de risco e vulnerabilidade social: pesquisa e intervenção.

Coordenação: Profa. Dra. Ângela Pinheiro (UFC), Profa. Dra. Ticiana Santiago de Sá (NUCEPEC/UFC), Profa. Msa. Celiane Oliveira (NDC/UFC)

O grupo de trabalho pretende promover uma discussão sobre as políticas públicas, as metodologias de pesquisa e intervenção junto às crianças em situação de risco e vulnerabilidade social, debatendo tais conceitos e suas implicações para a práxis contemporânea na área da infância. O grupo de trabalho busca reunir pesquisadores que abordem o trabalho infantil, a rede sócioassistencial, a violação dos direitos fundamentais da criança, o atendimento a criança vítima de violência, de exploração sexual, de violência doméstica ou institucional, dentre outros temas.

GT 04 - Punição, Proteção e Defesa dos Direitos Humanos à Crianças e Adolescentes

Coordenação: Prof. Dr. Antônio dos Santos Pinheiro (URCA) e Prof. Ms. Wendell de Freitas Barbosa (UFC)

O eixo central deste GT se concentrará em trabalhos que avaliem, em alguma medida, a aplicação das medidas sócio educativas, resultados das conquistas  do  Estatuto da Criança e do Adolescente – no país, no que diz respeito àqueles considerados “em conflito com a lei”. Serão aceitos também propostas que tratam da prevenção a violência pautados em ações e programas em relação ao direito à saúde, à educação, à moradia, ao  lazer em contextos marcados pela vulnerabilidade social.  Espera-se contar tanto com trabalhos em que crianças e adolescentes sejam considerados como objetos de punição, bem como propostas em que sejam compreendido como sujeito de direitos analisados à luz da promoção aos direitos humanos, e, ainda  trabalhos em que as próprias crianças e adolescentes expressem suas análises a respeito da punição que lhe foi atribuída e os direitos “conquistados”.

GT 05 - Religiões, espaço público, tensões e conflitos em um cenário plural

Coordenação: Prof. Dr. Antonio George Lopes Paulino (UFC); Prof. Dr. Marcelo Tavares Natividade (USP).

Debatedor: Prof. Dr. Eloi Magalhães (UFC).

Este grupo de trabalho pretende atrair discussões sobre pesquisas concluídas ou em andamento, cuja temática focalize ou inclua o fenômeno da religião. A proposta parte do olhar sobre a cena contemporânea, em que, não obstante a situação oficial de independência entre Estado e religião configurada em diversas sociedades, percebe-se que a dimensão religiosa não se restringe ao domínio da individualidade e da subjetividade e nem se encerra no âmbito de grupos religiosos específicos. Há uma relação expressiva entre religião e espaço público, hoje manifesta em diferentes situações: nos movimentos sociais que reivindicam direitos relacionados à população LGBTT (casamento igualitário, homoparentalidade, processo transexualizador); nas bandeiras feministas que visibilizam o combate à violência contra a mulher e a defesa da descriminalização do aborto; nas batalhas envolvendo a cidadania e direitos de profissionais do sexo; no debate sobre violência, ‘pedofilia’ e exploração sexual; na luta pela liberação de pesquisas com células-tronco embrionárias; no combate à intolerância religiosa e na defesa do Estado laico; na relação entre religião e espaço midiático (com intensa presença de grupos evangélicos neopentecostais e de canais e frequências de TV e rádio católicos); nas ações focadas no patrimônio cultural em expressões do catolicismo popular e de religiões de matrizes ameríndia e afrobrasileira; nas chamadas igrejas evangélicas inclusivas; nos debates sobre políticas públicas, planos de educação, acesso à saúde e segurança pública; nos estudos sobre diversidade e pluralismo religioso, nos quais ganha destaque a presença de grupos ayahuasqueiros; dentre outras. Este cenário complexo – marcado por tensões, conflitos materiais e simbólicos, disputas eleitorais e múltiplas manifestações de pertencimento étnico-cultural – demanda o exercício de leituras inter e transdisciplinares, que tratem o fenômeno da religião sob uma ótica não-essencialista, atenta aos fluxos, hibridismos e trânsitos que o caracterizam no atual quadro histórico-cultural. Assim, esta proposta convoca pesquisadores que queiram contribuir com referentes empíricos e teórico-conceituais para o aprofundamento deste debate, dando ênfase ao conteúdo simbólico e performático de práticas e experiências religiosas que ocupam essa cena plural produzindo rebatimentos sobre o espaço público.

GT 06 – Violências, Fronteiras e Periferias

Coordenação: Prof. Dr. Luiz Fábio S. Paiva (LEV-UFC), e Ms. Julien Zeppetella (Université Paris III-Sorbonne Nouvelle)

Debatedor: Prof. Dr. Geovani de Freitas (UECE) e Prof. Dr. Fábio Candotti (UFAM)

Este grupo de trabalho tem como objetivo pensar de maneira relacional as formas de violência, conflito, crime e ilegalismos em múltiplos territórios e configurações sociais. Para os fins da reflexão proposta pelo GT, visamos congregar estudos sobre as fronteiras, em seu sentido territorial, discutindo as nuanças dos limites nacionais, estaduais e municipais, e também em sua dimensão social e simbólica, em que se refletem questões decorrentes do reconhecimento e do pertencimento de territórios que expressam relações sociais específicas. Assim, pensamos em congregar trabalhos que reflitam também sobre a problemática da periferia como uma expressão política que revela as mais diversas maneiras de construir socialmente territórios que estão nas margens do Estado, da nação e das cidades. Tanto a fronteira como a periferia são categorias tratadas aqui como pontos de partida e não de chegada, pois nossa intenção é pensar sobre as lutas políticas que tornam os espaços vividos também espaços de conhecimento e discussão sobre a vida social em suas mais variadas manifestações. Serão abrigados trabalhos que coloquem em discussão também os problemas vivenciados no campo da violência, dos conflitos sociais e dos ilegalismos presentes nas maneiras de viver e subverter a ordem nas fronteiras e nas periferias. Em suma, a ideia central do grupo é congregar uma pluralidade de reflexões a respeito de espaços sociais e simbólicos em movimento, buscando produzir o encontro de pesquisadores com preocupações distintas sobre lugares representados e vividos por sujeitos que se encontram e falam de si, dos outros e das suas relações em territórios que compõem o vasto mundo social em seus contextos urbanos e rurais. Discutir os usos das categorias periferia, fronteira e violência e suas possibilidades analíticas é uma das finalidades desse grupo de trabalho.

GT 07 - Narrativas e imaginários sobre violências, mobilidades e vítimas.

Coordenação: Prof. Dr. Clodomir Cordeiro de Matos Júnior (UFMA; LEV-UFC); Prof. Dr. Igor Monteiro (UECE; LEV-UFC)

Em sua terceira edição, o Grupo de Trabalho tem por objetivo estimular reflexões críticas acerca das múltiplas manifestações da violência, do fenômeno das mobilidades contemporâneas e dos processos de vitimização em nossas sociedades. Frente à polissemia dos termos – expressa através de suas percepções ambíguas e “novas” e recorrentes modalidades –, o GT pretende acolher trabalhos empíricos e contribuições teórico-metodológicas que versem sobre suas diferentes expressões e representações. Nesse sentido, buscando promover um debate interdisciplinar sobre a temática, o foco do GT estará voltado para as seguintes questões: a) narrativas e imaginários sobre conflitos sociais, violência, mobilidades e processos de vitimização; b) mobilidades, espaços, atores, conflitos e negociações; e, c) violência, vítimas, movimentos sociais e emoções.

GT 08 – A “interiorização da criminalidade violenta no Brasil”.

Coordenação: Prof. Dr. Antônio Marcos Silva (UNILAB) e Prof. Dr. Francisco Thiago Vasconcelos (UNILAB)

A proposta do GT é refletir criticamente sobre o dito fenômeno da “interiorização da criminalidade violenta” e suas consequências para a segurança pública em cidades de pequeno e médio porte no interior do Brasil. Pretende-se favorecer um estágio de maior sistematização desta subárea de pesquisa que tem crescido em relevância nos últimos anos, tanto por modificações nas dinâmicas dos conflitos e da criminalidade, como pela interiorização das universidades brasileiras, que suscita a necessidade de maior colaboração entre os esforços de pesquisa. O GT acolherá pesquisas que abordem questões como: a mensuração de índices de criminalidade; a emergência de novas práticas delituosas e suas relações com o funcionamento do sistema de justiça criminal; as ações e planos estatais de controle da criminalidade; o trabalho policial; a estruturação de políticas municipais de segurança pública; as articulações entre os poderes públicos municipal, estadual e federal; a produção de matérias legislativas; as representações expressas nos meios de comunicação e as reações organizadas da sociedade civil.

GT 09 – Segurança Pública, cidadania, participação e controle social.

Coordenação: Prof. Dr. Maurício Bastos Russo (LEV/UFC); Prof. Dr. Gilson Antunes (UFPE)

O objetivo do GT é promover o debate teórico e metodológico sobre segurança pública, cidadania, participação e controle social. Dentro deste contexto, procuramos debater criticamente as seguintes questões: como os órgãos de segurança pública trabalham a promoção, defesa e garantia dos Direitos Humanos; quais os avanços teóricos atuais produziram novas formas de análise dos temas propostos; que metodologias são mais adequadas para pesquisar instituições policiais e agentes de segurança; o funcionamento das instituições policiais e suas práticas legais e ilegais; a formação dos profissionais na área de segurança pública; qual o papel da sociedade civil na promoção da cidadania; controle social e propostas de intervenção nas políticas de segurança pública e como a participação popular pode contribuir para a melhoria da segurança pública.

GT 10 - Crime, redes, dispositivos de classificação e punição

Coordenação: Profa. Dra. Jania Perla Aquino (UFC), Profa. Dra. Luciana Morales (UFC) e Profa. Dra. Bárbara Andrade (IFMA)

O grupo de trabalho pretende agregar pesquisadores cujos estudos envolvam práticas e coletivos ilegais, agentes e mecanismos ( institucionalizados ou não) de classificação, repressão e punição de práticas suscetíveis à incriminação, bem como as experiências de diversos atores em instituições policiais, judiciais e prisionais. Além da discussão dos dados e descobertas etnográficas, o GT buscará contribuir para a reflexão sobre os dilemas éticos e as dificuldades operacionais referentes à realização da pesquisa, ao tratamento analítico dos dados e às formas de publicização das informações obtidas.

GT 11 – Branquitude, outras relações étnico-raciais, violência e migrações

Coordenação: Prof. Dr. Bas´Ilele Malomalo (UNILAB), Prof. Dr. Lourenço da Conceição Cardoso (UNILAB) e Prof. Dr. Gledson Ribeiro de Oliveira (UNILAB) .

O presente GT objetiva agregar pesquisas que discutem a temática da violência simbólica e material na perspectiva dos estudos das relações étnico-raciais, da branquitude e das migrações africanas, tratando as diferentes formas de práticas de racismo, discriminação, preconceito (re)produzidos pelos agentes sociais – instituições e indivíduos-, gerando violência, exclusão e desigualdades sociais no meio das populações preteridas. Além disso, visa proporcionar um espaço de análise e discussão para se identificar e conhecer os diferentes mecanismos propostos pelos movimentos sociais, de forma particular as organizações sociais negras, e pelos outros agentes da sociedade – Estado, universidade, instituições religiosas, etc. – para confrontar o racismo e firmar os direitos humanos e a cidadania.

GT 12 – Família, adolescência, conflito e sofrimento psíquico.

Coordenação: Profa. Dra. Raquel Alencar Barreira Rolim (UFC, Lab. Psicanálise), Profa. Ms. Martha Regueira Alves (LABIO-UNIFOR) e Prof. Ms. Ricardo Pinheiro Maia (Maurício de Nassau)

Este grupo de trabalho tem o propósito de reunir relatos de estudos concluídos ou em andamento, com temáticas que envolvem adolescência, sofrimento psíquico, laço social e violência, visando suscitar discussões que contribuam com a construção do conhecimento da sociologia em interface com diversas áreas da saúde, da educação e do direito. Interessa-nos comunicações que reflitam sobre o jovem e as variadas formas de violências expressadas em conflitos familiares, sociais e/ou psíquicos.

GT 13 – Violência e Conflitos Indígenas

Coordenação: Dr. Luís Silva Barros (LEV-UFC) e Profa. Dra. Caroline Leal (UNILAB)

Debatedores: Profa. Dra. Caroline Leal (UNILAB) e Prof. Dr. Eloi Magalhães (UFC)

Questões de violência simbólica e material contra povos indígenas estão intimamente associadas a conflitos sociais e culturais contemporâneos no Brasil e no exterior. Este grupo de trabalho (GT) tem como objetivo agregar contribuições das mais diversas disciplinas para um debate informado sobre criminalização, controle e punição associados a populações indígenas. Temos enorme interesse em receber trabalhos de pesquisa que abordam tal temática sob diversos pontos de vista, incluindo: questões de territorialidade e demarcação territorial, movimentos indígenas e indigenismos, organizações políticas e sociais, colonialismo e colonialidade, interculturalidade, preconceito e exclusão social, preconceito e violência material, direitos humanos, mobilidade social, dentre outras. Propostas que discutem políticas públicas e cidadania ou questões gerais de controle social associado a populações indígenas serão especialmente bem vindas. Para uma discussão mais ampla incentivamos trabalhos com as mais diversas abordagens teóricas e metodológicas.

GT 14 – Culturas e Sociabilidades Juvenis

Coordenação: Camila Holanda Marinho (LEV/UFC), Isaurora Claudia Martins de Freitas (UVA) e Irapuan Peixoto Lima Filho (UFC)

Esse grupo propõe-se a criar um espaço de diálogos e debates sobre experiências coletivas de percepções sobre a juventude, e assim, propiciar um encontro de visões e de práticas do fazer pesquisa sobre as culturas e sociabilidades juvenis. Predominará a lógica do movimento e da percepção dos campos de sociabilidade nos espaços da esfera pública das cidades em situações de promoção de direitos humanos ou de direitos violados. Com isso serão acolhidos trabalhos que busquem analisar percursos, transições, práticas e rotas juvenis: corpo, espaço e sociabilidade. Mapas afetivos, redes e intimidade: subjetividades em movimento. Experiências juvenis nos mapas real e virtual. Fronteiras, linhas, territórios de juventudes: a cidade marcada por conflitos e disputas. Mobilidades e movimentos: espaços e ocupações em trânsito. Práticas de arte e cultura. Espaços de sociabilidade juvenil: escola, praça, bairro, entidades e organizações sociais. Sexualidades juvenis: corpo, sexo, saúde.